STUDIO MEL

Voltar Aulas de Canto n° 3 à 9

TÉCNICA VOCAL

|Página Principal |Página de música| |Cursos de Canto| |Endereço|


A ALTURA DA VOZ n°3


Para mudá-la a altura da voz, é preciso mudar a pressão expiatória. Isto é, modular o grau de tonicidade da musculatura abdominal, assim como o volume das cavidades supra-laringeas que modificarão a posição da laringe, o fechamento glótico, a freqüência das vibrações das cordas vocais e o deslocamento da sensação vibratória.


INTENSIDADE DA VOZ n°4

A intensidade da voz depende da pressão sub-glótica, ou seja da sustentação abdominal que permite a potência. A intensidade se conretiza por uma sensação de tonicidade que se distribui pelos órgãos vocais. Ela é percebida como uma energia transmitida, pouco a pouco, ao conjunto das cavidades de ressonância e aos músculos faringo-laríngeos. O cantor, durante o seu trabalho, deve ter conciência do dispêndio muscular que a intensidade requer, da dinâmica vocal apropriada e generalizada que provocarão o enriquecimento do aspecto sonoro.
A intensidade aumenta com a tonicidade e eastá associada à altura tonal , dependendo das vozes, varia de 80 a 120 decibéis.


O TIMBRE DA VOZ n°5

 

É o resultado dos fenômenos acústicos que se localizam nas cavidades supra-laríngeas. É modificando o volume, a tonicidade dessas áreas, assim como a dos lábios e das bochechas, que o som fundamental, emitido pela laringe, vai ser enriquecido ou embobrecido voluntariamente segundo a ordem, o número , a intensidade dos harmônicos que o acompanham e que são filtrados nestas cavidades conforme a altura tonal e a vogal. ( a, ã , e , é, ê , i , o , ó , u )
A riqueza do timbre está em função do uso dos resonadores, da pressão sub-glótica, da posição mais ou menos alta da laringe, fechamento glótico e qualidade das mucosas, condições estas, essenciais à qualidade do timbre, assim como da morfologia.
O timbre é definido de diferentes maneiras. Fala-se do seu colorido e estes está diretamente relacionado com a forma dos ressonadores. Fala-se da amplitude que corresponde às sonoridades extensas e redondas, do mordente, da espessura, do brilho que cresce e decresce com as modificações da intensidade e estão em correlação com a tonicidade das cordas vocais.
Estas diferentes formas acústicas são realizadas por mecanismos extremamente delicados, por todo um conjunto de movimentos musculares e pela maior ou menor tonicidade.
Mas o timbre pode ser tranformado com a utilização de certos métodos que o modificam, enquanto é a realização do mecanismo fisiológico da voz que pemitirá desenvolver e apreciar o timbre natural do cantor.

A HOMOGENEIDADE n°6

 

É uma qualidade essencial , que está em função da distribuição das zonas de ressonância e da fusão das diferentes sonoridades vocais dada sua interação permanente. Ela só pode ser rea1izada pela harmonização progressiva de todos os órgãos indispensáveis a fonação. Ou seja, por um sistema de compensação sobre toda a extensão e sobre todas as vogais de modo a atenuar ou reforçar certos formantes .


A AFINAÇÃO n°7

 

Ela é o par da homogeneidade. Trata-se da pressão e da tonicidade bem distribuidas que irão determinar uma coaptação adequada das cordas vocais. assim como uma acomodação das cavidades de ressonância. A afinação e regulada por movimentos extremamente delicados. pelo domínio de um conjunto de sensações as quais é preciso ficar muito atento associado ao controle auditivo vigilante.
Alguns cantores cantam "baixo” porque eles não sustentam o sopro devido a uma hipotonia muscular.
Outros cantam muito alto , eles " empurram ", seja por excesso de pressão ou porque o sopro se gasta rápido demaiso O som em geral localizado muito "em cima" é errado e desafina .


O VIBRATO
n°8

 

Ele tem um efeito estético evidente e um papel primordial porque ele dá a voz sua riqueza expressiva, sua leveza e seu poder emocional. Ele se caracteriza por modulações de frequência, (na razão de cinco a sete vibrações por segundo), acompanhadas de vibrações sincrônicas da intensidade de dois a três decibéis e da altura ¼ de tom e ½ tom que tem uma influência sobre o timbre. Estas flutuações são criadas pelo cantor e tem uma ação musical importante.
O vibrato só se adquire a medida que o cantor domina sua técnica e realiza da melhor maneira possível a junção faringo-laringea: seu mecanismo fisiológico corresponde a finas tremulações do conjunto da musculatura respiratória e laríngea.
Sem vibrato a voz é achatada, inexpressiva e sem calor humano. O Vibrato não existe nas crianças nem nas vozes incultas .

O ALCANÇE DA VOZ n°9

 

Quaisquer que sejam as mudanças de timbre , intensidade, de altura ou as modificações das candições ambientais, a técnica vocal deve permanecer a mesma.O cantor deve simplesmente adaptá-la a estes diferentes parâmetros.

A voz produzida , se ressente, se transforma no interior de nossos órgãos. Do ponto de vista funcional, o alcance vocal está sempre relacionado com a energia gasta e se traduz, principalmente, pela consciência de uma tonicidade generalizada no corpo inteiro, às sensações proprioceptivas mais perceptíveis e ao enriquecimento do jogo acústico do timbre.
A voz, diferentemente dos outros instrumentos, não é materializada e por esta razão e mais difícil de controlar . É por este motivo que o cantor deve ter a sua disposição, uma técnica segura, consciente baseada nas sensações e movimentos precisos que lhe permitirão não perder o domínio da voz quando estiver nas grandes salas, nas igrejas, ao ar livre ou em locais desprovido de acústica.

Assim pode-se dizer que, a condição essencial para que a voz tenha alcance é o controle das sensações internas. São as sensações musculares que, particularmente, informam sobre a atividade dos órgãos e seguindo-se a elas é a sensação de vibração que permite situar o tremor vibratório. Isto é tão evidente que muitos cantores colocam a mão sobre a caixa craniana para senti-lo melhor. Este procedimento não é recomendável,(Salvo momentâneamente) pois quando é suprimido, o cantor tem a impressão de não ter mais voz e fica desorientado.

O cantor sente a necessidade de localizar essas sensações e os instrumentistas também as buscam. Alguns deles tocam com os olhos fechados para sentir as vibrações de seu instrumento, juntar-se a ele, isolar-se do público e concentrar-se melhor. Por estas mesmas razões a famosa cantora negra Marian Anderson cantava sempre de olhos fechados.
Buscar o alcance da voz procurando lançá-la para "a frente" e um erro fundamental. Esta atitude provoca a contração da laringe, das cordas vocais, que contraem as cavidades de ressonância e passam a exercer uma pressão exagerada. Levam, pois, a um esfôrço generalizado do corpo todo, com todas as conseqüências que isto pode ter sobre a laringe e sobre o timbre. Não é por um excesso de intensidade que a voz terá um melhor alcance. Antes de tudo, o que importa é poder realizar uma distribuição do trabalho muscular, bem como adotar as corretas atitudes orgânicas, a fim de obter uma voz homogênea que possua, desde a saída dos lábios, o máximo de riqueza acústica.